Investigando em Sangha a Natureza do Ser

O início da busca, o reconhecimento e a Realização.

Satsang em Sangha com Veetshish Om e amigos


Kavish:

Bom dia.
Veet, podes falar um pouco sobre os mecanismos sutis da ideia de um "eu separado"
que quer saber o que é Reconhecer a Real Natureza? Percebo aqui, e também em muitas falas em Satsang, esse fundo que é uma sensação
de falta e um senso, muitas vezes mental, em querer apreender uma ideia do que seria
"se eu estivesse finalmente livre".
Há várias nuances de histórias que se passam por uma verdadeira e honesta investigação. Ainda sendo uma investigação do 'eu' separado muito sutil, a mente se camufla
(não sei se é uma boa palavra), e por trás há sempre um interesse pessoal de se libertar
e isso persiste até que se dê conta de que há um fluxo de atenção e investigação já sendo
feito e visto pela própria consciência e atenção viva.
Pode falar sobre isso?

Veetshish:

Bom dia! Muito preciosa a percepção que vem da fala do Kavish. Quando ela se torna reconhecida, quando a raiz sutil do "eu" que busca e quer encontrar "algo" está desmascarada frente à luz do conhecer, esta base do funcionamento do ego, do eu separado e, portanto, inseguro coloca-se no lugar devido: um mecanismo de reação que vem da identidade com o corpo-mente. Este condicionamento de reação está registrado em cada organismo. De um mecanismo orgânico, torna-se um mecanismo psicológico. A ideia de indivíduo cresce e, com ela,
os medos e sofrimentos, os orgulhos e as alegrias passageiras. Um estado mental de posse dos pensamentos e sentimentos faz o mundo pessoal, um mundo cheio de problemas, dúvidas e certezas, ideologias e defesas e críticas. Assim é gerada a angústia básica do ser humano. E a busca pela paz se instala e começa a peregrinação. Na Investigação Não Dual, o ensinamento se repete, sempre direcionando para a mesmo saber: que tudo que parece "seu" e tudo com o que você constrói sua identidade pessoal nada mais é do que objetos, fenômenos observados. Este vislumbre já é libertador da camada mais grosseira das identificações inconscientes! Porém, ao investigador cuidadoso, mesmo esta sensação de libertação é um fenômeno. E o apontar continua convidando: não pare tão cedo!... A casa é a mente radiante, consciência sem atributos, vaziez luminosa (e todos estes nomes que apenas invocam o espaço sem-lugar que é a Fonte e é cada coisa, cada experiência, cada estória
e cada manifestação e toda não manifestação ao mesmo tempo, sem separação e sem contradição!) Os apegos são reflexos dos antigos medos e inseguranças de se sentir separado do todo.
Querer a iluminação "para si" é, no início, tudo o que é possível de se vislumbrar.
Deixar ir tudo, tudo mesmo, é o processo de estabelecimento na Verdade Pura e duradoura. Dedicar-se, com fogo vivo de saber que a Verdade é inescapável, abre a porta para que Isso, que não pode ser adquirido nem perdido vá tomando conta definitivamente!



129 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Trechos do livro MAYA YOGA de Longchenpa com comentários de Veetshish Om Reflexo da Lua na Água A VISÃO É A PARTE DO ENSINAMENTO QUE APONTA E FAZ RECORDAR A REALIDADE NÃO DUAL DA CLARA LUZ QUE É A NAT