˜ Kavish Om

Descanso...

Ahh!... isso eu chamo de descanso.

Quando entraste

com um punhal afiado

nesses olhos

que estavam embaçados de conceitos

e boas ideias,

um alívio imediato se fez presente!

 

A falsa casa caiu,

DESMORONOU.

Pegaste na minha mão com calma,

me ajudaste a atravessar o rio das emoções e pensamentos,

com palavras doces e também amargas.

 

O coração celebrou, enfim de Verdade,

pois atravessamos juntos o oceano do mundo, 

então de mãos dadas a mágica se fez por si.

 

Decapitas-te meus braços e pernas

com um olhar amoroso

me sufocaste com tanta, tanta certeza e amor

até que eu e tu evaporou-se,

agora nem eu nem tu

só Isso

SÓ AMOR!

Saber que sabe-se 
anterior de saber o que é
anterior aos sabores e dores
antes mesmo das coisas surgirem,
anterior mesmo ao pensar, ao elaborar

as flores brotando
em um jardim com pouca água
ou uma terra fértil
o saber que sabe está ai
antes mesmo das cortinas se abrirem
dos aplausos surgirem

antes que não é tempo
antes que é exatamente agora, 
agora que é sempre,
que é isso que reveste o tempo
colore a vida nas formas,
agora é outro nome
para isso sempre presente...
AGORA-Sabe-se.
É!